Cientistas darão choques elétricos em cérebros de presos para fazê-los se comportar

Se o ensino médio nos ensinou alguma coisa, é que se você prender um monte de sociopatas excessivamente emocionais juntos por períodos prolongados de tempo, as coisas podem ficar bastante intensas. E de certa forma, isso também se aplica às prisões de segurança máxima.

Felizmente, cientistas espanhóis acham que descobriram uma maneira revolucionária de fazer com que os criminosos condenados parem de ser tão ruins: bombear um monte de eletricidade neles.

Cientistas darão choques elétricos em cérebros de presos para fazê-los se comportar
Shutterstock

Pesquisadores da Universidade de Huelva, na Espanha, estão prestes a iniciar um experimento para estudar os efeitos da estimulação transcraniana por corrente contínua (ETCC) nos cérebros de condenados violentos. Ao longo de alguns dias, uma dúzia de assassinos condenados terá eletrodos amarrados em suas cabeças, na esperança de encontrar uma maneira de eliminar os impulsos violentos de seus cérebros. Depois, os participantes doarão um pouco de sua saliva e receberão um questionário perguntando como eles estão se sentindo.

Mas antes de começar a imaginar uma sessão de tortura, o ETCC é na verdade mais um massageador cerebral do que uma fritadeira, usando níveis muito baixos de corrente contínua para “estimular” a mente sem dor.

O experimento vem na esteira de um estudo semelhante da Universidade da Pensilvânia, que também usou eletricidade em prisioneiros, e que mostrou uma possível diminuição significativa nas tendências violentas. E nos últimos anos, estudos também descobriram que ETCC pode ter um efeito sobre a saúde mental, com um estudo promissor notando que pode aliviar a depressão – embora em casos raros, também pode causar ataques de raiva nos tratados.

Fontes. NewScientist, Futurism

Inscreva-se no canal do YouTube do Mistérios do Mundo

10 distúrbios mentais assustadores que uma pessoa pode ter

E no canal de nosso parceiro Climatologia Geográfica

Tudo o que você precisa saber sobre buracos negros

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.