5 fatos que mostram que podemos estar caminhando para uma extinção em massa

Shutterstock

Os cientistas estimam que em toda a sua existência, o Planeta Terra já tenha passado por pelo menos cinco grandes extinções em massa, quando um grande número de espécies sofre extinção por motivos variados, como a diminuição dos habitats, intensa atividade predatória, entre outras.

O evento de extinção em massa que talvez seja o mais conhecido é aquele que levou à extinção dos dinossauros, há aproximadamente 65,5 milhões de anos, mas alguns cientistas acreditam que podemos estar caminhando para uma sexta extinção desta natureza, principalmente se não mudarmos alguns de nossos comportamentos enquanto sociedade.

Confira, abaixo, alguns fatos que nos levam a crer que precisamos fazer algo para proteger o nosso planeta e as espécies que vivem nele:

1. Excesso de acúmulo de carbono nos oceanos.

Barreira de corais
Shutterstock

Um fator de extrema importância em todas as outras extinções em massa que a Terra já enfrentou é a presença excessiva do gás carbono na atmosfera e nos oceanos. Os cientistas já sabem que o carbono passa historicamente por uma série de “ciclos”, que normalmente coincidem (em seus períodos de alta) com as extinções que já conhecemos. Em uma publicação do Phys.org, o professor de geofísica Daniel Rothman alertou que caso os seres humanos continuem emitindo o gás carbônico da forma que estão fazendo hoje em dia, nossos oceanos terão quantidades alarmantes de carbono por meados de 2100.

Isso não significa, de acordo com o professor, que enfrentaríamos uma extinção em massa de forma imediata, mas as projeções mostram que a Terra, caso nada seja feito até lá, será uma espécie de “terra de ninguém” em 2100, com condições bem complicadas para a vida humana.

2. Também em 2100, os cientistas estimam que os seres humanos já terão exterminado metade das espécies terrestres e aquáticas.

Girafas
Imagem de ramalholore por Pixabay

De acordo com uma publicação da National Geographic, cientistas estimam que mantendo as atividades predatórias, insustentáveis e agressivas ao meio ambiente, os seres humanos podem exterminar pelo menos a metade das espécies marinhas e terrestres que hoje conhecemos até o ano de 2100. A poluição, a pesca irregular e o desmatamento estão entre as atividades mais nocivas praticadas pelo ser humano conta inúmeras espécies.

3. Somos uma espécie extremamente invasiva.

Cidade
Shutterstock

Desde o início das civilizações humanas, a cada passo que damos na história ampliamos ainda mais o nosso impacto sobre as espécies que dividem conosco o planeta Terra. Com mais de 7 bilhões de indivíduos no mundo inteiro, os seres humanos comem praticamente tudo o que veem pela frente, incluindo insetos e animais que antigamente eram considerados repulsivos pela maioria das culturas. Por isso, não é de se estranhar se, com o contínuo aumento populacional e com a quase inevitável escassez de alimentos, acabemos por exterminar com diversas espécies em busca de alimento.

4. Mudanças climáticas.

Ursos polares aquecimento global
Shutterstock

Você certamente já foi alertado sobre as mudanças climáticas que o nosso planeta está sofrendo. Mesmo com a união de diversos países no sentido de controlar as atividades humanas que possam contribuir com o aquecimento global (como a emissão excessiva de gases poluentes, por exemplo), alguns países ainda parecem ignorar o problema.

É fato que as alterações climáticas não dependem apenas do ser humano, já que historicamente foram percebidos diversos períodos cíclicos de alterações no clima, mas o fator alarmante é que normalmente após uma grande alteração no clima terrestre, extinções em massa acabam por ocorrer.

Basta lembrar do que aconteceu com os dinossauros, por exemplo. Não foi o fogo ou o impacto dos meteoros que os dizimou, e sim a alteração percebida no clima após a tempestade de meteoros, que tornou a vida daqueles animais simplesmente insustentável.

5. Animais estão sendo extintos em uma taxa nunca antes registrada.

Panda
Shutterstock

De acordo com uma publicação do ‘Independent’, que abordou uma pesquisa publicada na revista Nature, os cientistas já alertam para uma elevação nas taxas de extinção percebidas em diversas espécies de animais ao redor do mundo. De acordo com os pesquisadores, desde que os seres humanos começaram a deixar o continente africano, o nosso impacto sobre as outras formas de vida da Terra só vêm se intensificando.

“Nos últimos 3 mil anos, a Terra perdeu metade de toda a megafauna mamífera terrestre, e 15% de todas as espécies de pássaros. […]. As taxas de extinção para pássaros, mamíferos e anfíbios são similares àquelas presentes nas cinco extinções em massa dos últimos 500 milhões de anos, que provavelmente resultaram de impactos de meteoritos, intensa atividade vulcânica e outras forças cataclísmicas”, escreveram os pesquisadores.

Inscreva-se no canal do YouTube do Mistérios do Mundo

33 fatos que você provavelmente não sabia sobre seu corpo

E no canal de nosso parceiro Climatologia Geográfica

Tudo o que você precisa saber sobre buracos negros

você pode gostar também
1 comentário
  1. Vanda Carvajal Diz

    Muito bom os artigos.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.